Vigilância sanitária fecha supermercados por descumprirem decretos municipais em Bauru

  • Lucca Willians

A vigilância sanitária, em operação realizada nesta sábado (04), fechou as portas de supermercados que estavam em desacordo com os decretos municipais relativos à pandemia do novo coronavírus, em Bauru.

A ação aconteceu próximo ao horário do almoço e interditou unidades nos bairros Nova Esperança, Vila Falcão, Jd. Ferraz e Centro.

No início da noite, a prefeitura de Bauru divulgou uma nota em que esclarece as interdições:

"Bauru, 4 de abril de 2020 A Prefeitura Municipal por meio da fiscalização e vigilância municipal, realizou na tarde deste sábado (04), inspeções sanitárias em estabelecimentos do setor supermercadista. A ação resultou na autuação de três estabelecimentos.

A ouvidoria vem registrando diversas denúncias quanto à superlotação em supermercados, o que favorece a proliferação do novo Coronavirus e põe em risco clientes e funcionários. Decretos municipais determinam que esses estabelecimentos devem assegurar distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas e fazer o controle de acesso de clientes. A disponibilização de álcool gel 70% em todos os corredores e meios eficientes de higienização de itens de contato coletivo também são obrigatórios para coibir a disseminação do novo coronavírus, que vem fazendo milhares de vítimas no mundo inteiro.

A Prefeitura salienta que os supermercados têm autorização para o funcionamento por prestarem serviços classificados como essenciais, mas uma série de normas foi estabelecida visando à segurança dos clientes e funcionários. A administração reforça que este procedimento de fiscalização vem sendo adotado com todos os estabelecimentos para que o enfrentamento ao COVID-19 seja eficiente e não coloque em risco a vida das pessoas.

A Prefeitura e a APAS- Associação Paulista de Supermercados, já agendaram uma reunião para a próxima segunda-feira com o objetivo de buscar medidas conjuntas de correção dos problemas com o objetivo de reestabelecer o atendimento à população."