Em reunião com vereadores, prefeito fala em hospital de campanha municipal

  • Lucca Willians

Maior impasse, segundo Clodoaldo Gazzetta, está na indisponibilidade no mercado de equipamentos necessários para o tratamento de pacientes com suspeita de COVID-19; parlamentares também pediram que regras para quarentena não sejam mais restritivas do que as estabelecidas pelo governo de São Paulo.

As preocupações relacionadas ao enfrentamento à COVID-19 em Bauru dominaram o Rol de Oradores na Sessão Legislativo Virtual realizada nesta segunda-feira (06/04). Ao fim dos trabalhos, os vereadores se reuniram online com o prefeito Clodoaldo Gazzetta para esclarecer dúvidas, especialmente, sobre a estrutura para a assistência em saúde que vem sendo providenciada pelo poder público para o esperado “pico” da doença.

Gazzetta falou sobre a intenção de viabilizar um hospital de campanha municipal, com 50 leitos preparados para atender especificamente pacientes de Bauru - como o Posto Avançado do Coronavírus, que terá 10 leitos no prédio do então Pronto Atendimento Infantil (PAI).

Aos parlamentares, o prefeito alertou, entretanto, a dificuldade de encontrar disponibilidade de equipamentos à venda.

O mesmo impasse, segundo ele, é verificado na busca por Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde e até mesmo na aquisição de quatro ambulâncias de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O município chegou a comprar quatro veículos, mas a operação será cancelada porque o fornecedor não dispunha dos aparelhos necessários para equipá-los.

HC

Pleiteada por vereadores junto ao governador João Doria, a abertura do Hospital das Clínicas também foi discutida no encontro virtual.

O prefeito assegurou que o Estado deve assumir o custeio da unidade - que contará com 172 leitos, sendo 10 de UTI; e os R$ 3,7 milhões já repassados ao município viabilizaram a abertura do hospital de campanha, concebido para assistir 18 municípios da microrregião de Bauru.

Na quarta-feira (06/04), técnicos do governo paulista devem discutir o tema em busca de definição.

Gazzetta estima que o HC entre em operação em 30 ou 60 dias. Parlamentares observaram que o prazo pode ser longo demais para o ritmo de contágios esperado.

O prefeito reiterou que 25 dos 39 leitos públicos preparados para atender pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) já estão ocupados.

Testes

Questionado por vereadores, o chefe do Executivo falou que o município está investindo R$ 90 mil para possibilitar, ainda nesta semana, a realização de exames para novos casos suspeitos de COVID-19 em Bauru, em parceria com o Instituto Adolfo Lutz e com o Lauro de Souza Lima.

Há ainda a possibilidade de aquisição de testes rápidos para os próximos dias.

Quarentena

Vereadores pediram ainda para que o novo decreto a ser editado pelo prefeito replique as mesmas restrições impostas pelo governo estadual na quarentena, estendida até o dia 22 de abril, sem restrições mais severas para o município.