Dengue: a cada 7 terrenos denunciados, menos de 2 são notificados

No dia em que a Secretaria Municipal de Saúde confirmou novos 74 casos de dengue em Bauru, chegando a 141 em 2020, a Câmara Municipal promoveu Audiência Pública para discutir as ações de prevenção à doença. A despeito da apresentação de várias medidas que vêm sendo ou serão tomadas pelo poder público, chamou atenção a baixa capacidade de notificação a proprietários de terrenos sujos por parte da Prefeitura.

Questionado pelo vereador Mané Losila (PDT), que convocou a discussão para o Plenário da Casa de Leis, o secretário de Administrações Regionais Regionais, Levi Momesso, informou que, com seis fiscais para executar o serviço, de 7 mil denúncias recebidas pela população, apenas 1.785 situações foram notificadas.

O gestor pontuou que 40% delas resultaram na limpeza dos imóveis por seus responsáveis.
"Precisa apostar nisso. Porque, se todos fossem notificados, em um cálculo rápido, seriam 2.800 terrenos limpos por seus proprietários. Talvez deveríamos pensar em contratar empresa para contratar uma empresa para notificar", sugeriu Losila.

Nesse sentido, a vereadora Telma Gobbi (Solidariedade), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Saúde, pontuou que, além de cobrar dos privados, a Prefeitura precisa fazer sua parte, com limpeza e capinação adequadas em áreas públicas.

Ela defendeu ainda que o município ofereça aos proprietários de terreno a possibilidade de, lançar no IPTU, valores referentes à a esse serviço para que a administração o execute previamente, em vez de apostar na lógica da multa.

No ano passado, não prosperou a terceirização da limpeza de imóveis privados sujos multados, em razão da incapacidade operacional da firma contratada.

O vereador Francisco Carlos de Góes – Carlão do Gás (PMDB) destacou que há desafios de origem cultural para a prevenção e sugeriu o reforço da fiscalização em imóveis disponíveis para locação.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Bauru.