Suéllen e ministros anunciam criacão de escola civico-militar em Bauru

  • Jamile Diniz

Bauru será sede de uma escola cívico-militar que fará parte de um programa nacional do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério da Defesa. A informação foi dada durante uma reunião nesta segunda-feira (15) entre a prefeita Suéllen Rosim, o Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, e o Ministro da Educação, Milton Ribeiro.

O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares objetiva uma união entre as áreas educacional, didático-pedagógica e administrativa. No encontro, que ocorreu no Palácio das Cerejeiras, Pontes afirmou que "Os países do mundo que são desenvolvidos apostaram no tripé Educação, Ciência e Tecnologia". Sobre o projeto, a prefeita afirmou que espera que seja posto em prática antes do fim de 2021.

Embora conte com o apoio de militares, a escola não visa militarizar os estudantes, apenas é estruturalmente mais ligada à disciplina. Ribeiro, por sua vez, encara essa qualidade como positiva e diz que Goiás – estado em que há o maior número de escolas cívico-militares no país – é um dos primeiros no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Sobre a questão, Suéllen pontua "Não é o militarismo em si, mas a educação que importa. O futuro das nossas crianças é o que interessa. Tudo que é investimento em educação é um presente do céu".

Bauru foi escolhida em meio a 200 outras cidades inscritas para sediar o programa. O investimento federal necessário para sua aplicação não foi informado, entretanto, para cada mil alunos matriculados há uma média de contratação de 16 a 18 monitores. Isso acarreta em um custo de R$800 mil por ano.

O anúncio selou ainda mais a proximidade entre a prefeitura municipal e o governo federal, ao que Pontes afirmou  "O anúncio e a presença de dois ministros do governo Jair Bolsonaro de uma vez em Bauru mostra, claramente, o apoio que a cidade tem do governo".