Seplan e PM discutem atividade delegada para coibir festas clandestinas

  • Lucca Willians

A Secretaria de Planejamento (Seplan) e a Polícia Militar (PM) em Bauru discutiram o estreitamento da parceria entre a corporação e a prefeitura no combate a festas clandestinas, eventos ilegais e aglomerações durante a fase vermelha do Plano São Paulo. O encontro aconteceu na tarde desta segunda-feira (25), na sede do 4º Batalhão de Polícia Militar do Interior (4º BPM-I).

Participaram da reunião o secretário de Planejamento, Nilson Ghirardello, o diretor do Departamento de Uso e Ocupação de Solo da pasta, Paulo André Yamamuro, e o diretor da Divisão de Fiscalização da secretaria, Mário Lobo. Pela PM, estiveram no encontro o tenente-coronel Fabiano Serpa, comandante do 4º BPM-I, e o Capitão Freitas, da seção de operações da Polícia Militar em Bauru.

Neste momento, o foco principal é ampliar a presença da PM, através da atividade delegada, para coibir festas clandestinas e eventos irregulares que possam gerar qualquer tipo de aglomeração. Estabelecimentos que descumprirem regras e provocarem aglomerações também podem entrar no alvo da PM, que atuará em conjunto com os fiscais da Seplan.

No último fim de semana, a secretaria, com o apoio da PM, acabou com duas festas clandestinas. Já a fiscalização da Secretaria de Saúde foi a diversos estabelecimentos, principalmente bares. A atividade delegada funciona, em média, com uma equipe durante o dia e uma no período noturno, durante a semana, e com duas equipes durante o dia e duas no período noturno, aos finais de semana, período considerado mais crítico. O pagamento da jornada adicional dos policiais é realizado pela prefeitura, através de um convênio feito entre o município e a Secretaria de Estado da Segurança Pública.

O secretário Nilson Ghirardello e o tenente-coronel Serpa destacaram a importância da parceria, inicialmente para coibir as festas clandestinas neste momento de pandemia, e posteriormente para ampliar as ações desenvolvidas pela atividade delegada, com novas atribuições que poderão entrar na parceria, relativas a fiscalizações da esfera da prefeitura.