Noroeste e Nacional duelam para manter vivo o sonho do acesso

  • Alex Silva

Noroeste venceu o Nacional por 2 a 0 pela primeira fase do campeonato. Créditos: Bruno Freitas/EC Noroeste

Noroeste e Nacional se enfrentam neste domingo (18) na cidade de São Paulo pelo jogo de ida das quartas-de-final da Série A3 do Campeonato Paulista com o jogo de volta acontecendo no próximo dia 24 em Bauru. O confronto coloca frente a frente as equipes de melhor e pior campanha entre os oito times que avançaram para a segunda fase da competição, sendo a equipe bauruense a melhor colocada na fase de classificação e o Nacional, o oitavo colocado.

A equipe noroestina fez uma primeira fase brilhante, com poucos erros, resultados expressivos e números que mostram a eficiência do trabalho comandado pelo técnico Luiz Carlos Martins. O Noroeste terminou a primeira fase com 35 pontos conquistados em 15 jogos: foram 11 vitórias, dois empates e apenas duas derrotas. Com esses números, a equipe alcançou um aproveitamento de aproximadamente 78% dos pontos disputados.

Com o bom rendimento dentro de campo, a equipe alvirrubra garantiu sua classificação para o mata-mata com sobras. O time bauruense assegurou a sua vaga nas quartas-de-final quando bateu o Olímpia por 3 a 1 na 11ª rodada do campeonato, sendo a única equipe a ter garantido a sua classificação antes da paralisação causada pela pandemia da Covid-19. A garantia do primeiro lugar veio com a vitória diante do Primavera na 14ª rodada.

Além dos resultados, o Noroeste vem se mostrando um time equilibrado e sólido, que marca muito bem seus adversários e ataca com inteligência. O time terminou a primeira fase com a melhor defesa ao lado do EC São Bernardo com apenas 9 gols sofridos, e com o melhor ataque da competição junto com o Comercial, tendo balançado as redes 25 vezes. “O Noroeste fez tudo o que tinha que fazer nessa primeira fase da competição, agora é procurar manter esse padrão”, afirmou Martins.


“A primeira fase do Noroeste foi boa", avalia o repórter Lucas Rocha, setorista do Noroeste e comentarista na rádio Jovem Pan News Bauru. "O time fez uma excelente preparação e isso serviu como combustível para o início, vencendo as cinco primeiras partidas da competição. Depois oscilou um pouco, algo completamente compreensível, mas foi uma equipe que se manteve segura defensivamente, e passando poucos sustos, sempre esteve mais próximo da vitória do que seus adversários.”

Por outro lado, o Nacional do técnico Tuca Guimarães oscilou mais durante a primeira fase. No início do campeonato, a equipe chegou engrenar uma sequência de cinco jogos sem perder nas primeiras cinco rodadas, porém somou quatro empates e apenas uma vitória. Nos seis jogos seguintes, antes da paralisação, foram quatro derrotas e duas vitórias.

Se antes da paralisação a equipe era inconstante, na retomada da Série A3 o Nacional se mostrou uma equipe mais consistente e buscou os resultados necessários para alcançar o oitavo lugar e consequentemente uma vaga no mata-mata na última rodada. O Naça engatou uma sequência de quatro jogos sem perder, com dois empates, diante de Batatais e São Bernardo, e duas vitórias contra Rio Preto e Primavera. “Conseguimos uma regularidade que antes da paralisação não estávamos conseguindo”, analisa Tuca Guimarães.

Ao contrário do Noroeste, os números mostram um Nacional mais desequilibrado até o atual momento do campeonato. Em 15 jogos, foram cinco vitórias, seis empates e quatro derrotas. Chama atenção o fato de o time ter feito 17 gols e ter sofrido 16 até o momento. Entre os oito classificados, no ataque somente o Batatais tem um rendimento pior, com 13 gols marcados, enquanto a defesa é a segunda mais vazada, ao lado do Comercial, ficando atrás apenas do Linense, que sofreu 19 gols na fase de classificação.

Equipes sofreram alterações no elenco durante a pausa do campeonato

A pandemia da Covid-19 mexeu de alguma forma com a vida de quase todas as pessoas no planeta, e não foi diferente com as equipes do Noroeste e Nacional, que perderam jogadores e fizeram contratações em meio à pausa do campeonato causada pelo novo coronavírus.

O Noroeste conseguiu manter o técnico Luiz Carlos Martins e boa parte do seu elenco. Dos 26 jogadores que começaram a temporada com o Norusca, 20 renovaram contrato e apenas seis não permaneceram na equipe. Entre os que foram embora, a ausência mais sentida é a do atacante Fabrício, que era titular absoluto da equipe e responsável direto por 11 gols dos 19 que foram marcados pelo Noroeste até a paralisação do campeonato.

Com as baixas no elenco, a diretoria noroestina foi ao mercado e trouxe quatro jogadores: os zagueiros Maycon e Guilherme Nicola e os atacantes Lucas Shallon e Fidel Rocha. 

Entre os contratados, Fidel Rocha é o que tem se saído melhor até o momento. O atacante veio para o Noroeste após uma passagem de três temporadas no futebol sul-coreano e se tornou titular absoluto, assumindo a vaga deixada por Fabrício. Fidel já anotou um gol com a camisa alvirrubra e tem feito boas partidas, com uma boa movimentação e distribuição de jogo no ataque. 

Com as boas atuações, o atacante caiu nas graças do torcedor e já há quem acredite que ele será o destaque na fase decisiva do campeonato. “Acho que ele será o cara das finais, muita humildade, merece muito”, afirma José Roberto Pavanello, torcedor noroestino. 

O Nacional também sofreu baixas importantes durante a paralisação do campeonato. Ao menos cinco jogadores que vinham sendo constantemente escalados pelo técnico Tuca Guimarães não permaneceram na equipe, como o goleiro Luis Henrique, o zagueiro Bahia, o lateral direito Veloso, o meia Guilherme Noé e o atacante Gustavo Índio.

Pensando na sequência da Série A3 e também na disputa da Copa Paulista, o Nacional foi ao mercado e contratou pelo menos dez jogadores. Entre os contratados, destacam-se o goleiro Douglas, que defendeu o Madureira-RJ no início da temporada, o lateral esquerdo Matheus Barros, que estava no Frei Paulistano-SE, o volante Gabriel Vieira, que veio do Real Brasília-DF, além dos atacantes Juan, Lucas Campos, Wellington e André Tavares, que jogaram no começo da temporada por Luverdense-MT, Imperatriz-MA, Capital-DF e Pouso Alegre-MG, respectivamente. 

“Nossas mudanças foram frutos de um momento que assolou o mundo”, relata Tuca Guimarães que também admitiu a necessidade de uma adaptação aos jogadores disponíveis. “Nessa divisão e com as condições financeiras que temos, não é possível contratar pensando em modelo de jogo. Temos que nos adaptar as nossas peças.”

Expectativas para o confronto

Um confronto como esse — ou melhor, uma decisão como essa — mexe com ambos os lados, gerando emoções e expectativas. Cada um dos envolvidos sabe que um erro pode ser fatal e que um simples movimento errado pode jogar toda uma campanha por água abaixo.

“É jogo de xadrez. Vamos jogar o nosso jogo", afirmou o técnico Luiz Carlos Martins ao ser questionado sobre como seria a postura do Noroeste no mata-mata diante do Nacional. "Na posse de bola do adversário vamos ter uma marcação forte e na posse de bola nossa, nós vamos jogar e o adversário vai ter que marcar também.”  

Do outro lado do confronto, Tuca Guimarães também não espera vida fácil. “Espero uma dificuldade tremenda, a campanha do Noroeste fala por si só.”   

O repórter Lucas Rocha, que cobre a equipe diariamente, acredita em “um confronto amarrado” entre as equipes, com o Nacional buscando se defender e tentando uma transição rápida após as roubadas de bola e apostando nas jogadas pelos lados do campo. “Já o Noroeste deve apostar em um jogo mais apoiado, já que tem mais opções para fazê-lo”, comenta o jornalista.

Apesar de acreditar em um jogo difícil, Rocha não titubeia ao apontar um favorito: “Noroeste é favorito, tem mais variações de jogo e é bem mais sólido defensivamente.”

Com a defesa menos vazada do campeonato e tendo sofrido gols em apenas cinco das 15 partidas disputadas até aqui, a solidez defensiva é uma característica especial da equipe do Noroeste. Além disso, jogadores e comissão técnica têm demonstrado confiança no trabalho que vem sendo executado até o momento e acreditam que esses fatores podem contribuir para a equipe avançar no mata-mata.

“Vai ser um jogo difícil, até porque a Série A3 é dessa forma, mas esse é um ano que eu estou muito mais confiante", afirma o zagueiro e capitão Jean Pierre. "Eu estou aqui desde 2017, e agora eu acredito muito mais do que em todos outros anos. Nosso elenco tem atletas experientes que são vencedores e estão acostumados a decisão.”

Com a bela campanha feita na primeira fase, a confiança começa a tomar conta do torcedor do Noroeste. “A expectativa é grande", declara José Roberto Pavanello, um dos fundadores da torcida organizada Sangue Rubro que acompanha o clube desde 1986. "Temos time e treinador pra chegar, então acho que sairemos com uma vitória”.

Se por um lado o torcedor noroestino está confiante, a torcida do Nacional está um pouco mais comedida. “Eu espero um confronto equilibrado e com poucos gols”, confessa Silas Arcieri que torce pelo Nacional desde 1988, quando ele conheceu o Naça por intermédio do seu avô. Silas aponta o favoritismo para o rival, mas acredita que a paralisação fez a distância entre as equipes diminuir. “A diferença entre os dois era maior antes da paralisação, mas agora vejo que o Noroeste perdeu um pouco da sua intensidade.”

Após longas 15 rodadas e mais de sete meses de espera, chegou o momento que todo torcedor gosta e que todos os envolvidos na competição — como técnicos, jogadores, jornalistas, entre outros — esperam: a hora da decisão, quando  se revela quem vai se dar melhor no mata-mata da Série A3 do Campeonato Paulista e, assim, seguir vivo na luta por uma vaga na final e assim consecutivamente conquistar o acesso para a Série A2.

Nacional e Noroeste iniciam o duelo por uma vaga nas semifinais da Série A3 a partir das 15h deste domingo (18) no estádio Nicolau Alayon, em São Paulo. O segundo confronto entre as equipes está marcado para o dia 24/10 às 17h30 no estádio Alfredo de Castilho, na cidade de Bauru. Em caso de empate nos dois jogos, a decisão será nos pênaltis. Os dois jogos terão transmissão da Jovem Pan News Bauru pelo rádio em 97.5 FM para Bauru e região e também pelo canal no Youtube e perfil no Facebook.