Motoristas de transportes escolares promovem manifestação em Bauru

  • Jamile Diniz

(Foto: Jamile Diniz)

Nesta segunda-feira (24), um grupo de motoristas de transportes escolares promoveu uma manifestação de natureza pacífica em Bauru. A mobilização, que teve início na Avenida Nações Unidas e foi até à prefeitura municipal, teve como objetivo reivindicar auxílios e direitos para trabalhadores do setor. A categoria dos transportes escolares foi uma das primeiras a paralisar as atividades no início da quarentena e, até o presente momento, não tem previsão de voltar a operar.

Em entrevista à Jovem Pan, Vitor Talão, presidente do sindicato que representa a categoria, contou que os motoristas desse setor enfrentam um desafio a mais, já que dependem da autorização do Poder Público para funcionar e só têm permissão para realizar o transporte escolar. Com a paralização das aulas no mês de março, os condutores se viram sem renda fixa e sem a possibilidade de desempenhar outras funções para reverter o prejuízo financeiro.

Já no mês de março, os motoristas protocolaram um documento solicitando o auxílio emergencial, nos mesmos moldes do Governo Federal, cestas básicas e isenções de algumas taxas.

A Prefeitura Municipal de Bauru atendeu a demanda das cestas básicas na primeira remessa, mas a segunda enfrentou atrasos e ainda não foi entregue. Já o auxílio emergencial, que é o que os condutores consideram mais urgente, nunca aconteceu.

Esse foi o estopim pra que ocorresse a carreata de hoje, que foi autorizada pela EMDURB e contou com aproximadamente 100 veículos. Em uma espécie de "buzinaço" em frente à Prefeitura Municipal, os motoristas de transportes escolares se reuniram e levantaram cartazes que pediam socorro. Dez deles foram autorizados a entrar no prédio para discutir as reivindicações com o prefeito Clodoaldo Gazzetta.

Luzia Lopes, que atua na profissão há mais de dez anos, contou com exclusividade à Jovem Pan News Bauru, que está sem renda alguma no momento e que espera que a situação melhore com o movimento de hoje "Viemos reivindicar a questão das cestas básicas e também pedir o auxílio. É o básico!", afirma.
Na reunião, o prefeito afirmou que a situação das cestas básicas já está resolvida e que estas serão entregues diretamente aos condutores e não encaminhadas ao sindicato. Quanto a flexibilização das atividades dos motoristas, que até o momento só podem atuar com o transporte escolar, Gazzetta diz que será necessário criar um mecanismo jurídico para diversificação da ocupação.