Governo de SP decreta restrição de circulação entre 23h e 5h para todo o estado

  • Lucca Willians

Durante a coletiva de imprensa desta quarta-feira (24), o governador João Dória anunciou o endurecimento das medidas de combate à pandemia de Covid-19 em todo o território paulista. O governo chamou de 'restrição de circulação', a proibição de circulação de pessoas nas ruas entre 23h e 5h em todos os 645 municípios do estado.

A decisão ocorre após São Paulo registrar o maior número de pacientes internados em UTIs com Covid-19 desde o início da pandemia. Ao todo são, 6.500 pessoas internadas em leitos de UTI. A medida entra em vigor nesta sexta-feira (26) e segue até o dia 14 de março.

Na prática, os municípios devem cumprir as regras estabelecidas pelo Plano SP de acordo com a fase em que esteja classificado e, após às 23h, fica proibido o funcionamento de atividades não essenciais e a circulação de pessoas nas ruas em todo o estado.

"A restrição estabelecida é fundamentalmente para evitar eventos e situações onde pessoas participam de aglomerações desnecessárias, multiplicam a contaminação e ampliam a possibilidade de óbitos", declarou o Governador João Doria. "Hoje, nós estamos pagando um preço caro. Vidas se perderam e estão sendo perdidas em função de aglomerações", acrescentou.

Os serviços essenciais continuarão a funcionar normalmente durante qualquer período, inclusive o horário restrito. Também não haverá advertência, multa ou impedimento à circulação de trabalhadores. Na prática, o Governo do Estado vai endurecer a fiscalização contra aglomerações em qualquer horário e eventos ilegais ou proibidos aos finais de noite e madrugadas.

De acordo com o Coordenador do Centro de Contingência, Paulo Menezes, houve aumento significativo no número de internações em São Paulo nas últimas semanas, principalmente em relação a pacientes graves com COVID-19. Até o início da tarde desta quarta, havia 6.657 pacientes internados em leitos intensivos, recorde negativo desde o início da pandemia.

"Se nós olhamos para o futuro, nós temos uma previsão bastante preocupante que é poder esgotar os recursos de leitos de UTI em aproximadamente três semanas", declarou Menezes. Ele apontou duas possibilidades para o recrudescimento da pandemia: o grande número de aglomerações e festas clandestinas desde o final de dezembro e a circulação de novas variantes do coronavírus.

O Secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, reforçou a preocupação dos especialistas do Centro de Contingência. "Não adianta nós só ampliarmos leitos e distribuirmos respiradores. Se as medidas restritivas não forem feitas, teremos impacto na saúde em 22 dias", alertou.

A restrição de circulação visa coibir tanto os eventos clandestinos como reuniões sociais com aglomerações aos finais de noite e madrugadas. O Governo do Estado organizou uma força-tarefa para ampliar a fiscalização das equipes de Vigilância Sanitária em conjunto com as prefeituras.

Equipes do Procon-SP e das forças policiais da Secretaria de Segurança Pública vão atuar de forma conjunta para coibir o funcionamento de estabelecimentos não essenciais no período de restrição e os eventos ilegais. De acordo com o Diretor Executivo do Procon, Fernando Capez, os agentes de fiscalização vão multar comércios e empresas que descumprirem as regras do Plano São Paulo.

A Diretora Técnica do Centro de Vigilância Sanitária do Estado, Maria Cristina Megid, pediu que todas as pessoas ampliem a mobilização para impedir o avanço da pandemia. O Governo do Estado vai receber denúncias sobre festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-7713541 e também pelo site do Procon-SP www.procon.sp.gov.br .

O resumo com as medidas apresentadas durante a entrevista coletiva desta quarta está disponível na página Issuu: https://issuu.com/governosp/docs/coletiva_24.02.21.pptx.