Força, velocidade e gols. Conheça Pedro Felipe, um dos destaques do Noroeste nas últimas temporadas

  • Lucas Rocha

(foto: Bruno Freitas/EC Noroeste)

Poucas palavras, mas muito futebol. Assim podemos definir Pedro Felipe dos Santos Santana, baiano de Simões Filho, região metropolitana de Salvador. Pedro começou a jogar profissionalmente aos 21 anos, quando vestiu a camisa do Osvaldo Cruz no Campeonato Paulista Sub-23 em 2018. Após ter se destacado nesta competição, Pedro chegou ao Noroeste junto com John e Denilton, que também eram seus companheiros de equipe em Osvaldo Cruz. O trio chamou a atenção do então treinador Betão Alcântara, e permanecem no Noroeste até hoje, mais de dois anos depois.

Neste período, Pedro foi quem mais atuou, 43 vezes, sendo 34 delas como titular. Ao todo, o atacante marcou 8 gols, mesmo número de jogadores como Bruno Mineiro, Juninho e Bomfim, que tiveram boas passagens pelo Noroeste neste século. Tais números chamaram a atenção do Mirassol. Em novembro de 2020, Pedro assinou contrato com o leão da araraquarense até dezembro de 2022, tendo feito três jogos na campanha que deu ao Mirassol, o título do Campeonato Brasileiro Série D em janeiro deste ano. Após as disputas, Pedro foi cedido por empréstimo para o Noroeste, até o mês de junho, quando estão previamente marcadas as finais da Série A3.

Confira o bate-papo com Pedro na íntegra:

Lucas Rocha: Como foi e como aconteceu seu primeiro contato com o futebol?

Pedro Felipe: Meu primeiro contato com o futebol foi aos sete anos. Eu via meu pai jogando e foi neste momento que passei a gostar.

LR: Tudo isso em Salvador?

PF: Sim, mas nós éramos de Simões Filho, na região metropolitana.

LR: Como surgiu a possibilidade de vir jogar no estado de São Paulo?

PF: Foi em 2018, quando dois amigos (Rafael Magrão e Álvaro) conseguiram um teste para mim no Osvaldo Cruz. Eu fui aprovado, e foi lá que tudo começou, na "Bezinha" de 2018.

LR: Logo depois deste campeonato você veio para o Noroeste. Como ficou a cabeça quando você recebeu o convite?

PF: A princípio também seria um teste, mas eu levei como uma grande oportunidade para mim, pois estava dando um passo muito importante saindo de uma equipe da "Bezinha" para jogar uma A3, ainda mais no Noroeste. Graças a Deus, as coisas andaram bem e eu pude ser aprovado.

LR: Sentiu alguma dificuldade no inicio desta trajetória por aqui?

PF: Sim. Muita! Eu precisava melhorar muita coisa no meu jogo, até porque eu praticamente não tive base, sendo assim, precisaria correr muito mais que todos para me firmar. Na verdade eu levo isso comigo até hoje, na disposição eu não posso perder pra ninguém.

LR: Hoje, após dois anos, você chegou a 43 jogos disputados pelo clube, e gols importantes para a equipe. O que representa o Noroeste para você?

PF: Significa muito pra mim. É um time que levarei sempre comigo, não importa onde estiver. O Noroeste abriu as portas e me deu oportunidade de mostrar o futebol que eu tenho.

LR: Neste tempo de Noroeste, você chegou a fazer dupla de ataque com o Fabricio, depois também foram companheiros de time no Mirassol. Como vocês se entendiam dentro de campo?

PF: Um procurava ajudar o outro mesmo, aprendi muito com o Fabricio neste período em que jogamos juntos no Noroeste, no Mirassol não chegamos a fazer jogos juntos, somente treinamentos, mas ele é um grande amigo.

LR: Sobre essa experiência no Mirassol, como foi conquistar o título da Série D no inicio deste ano?

PF: Foi uma experiência muito importante pra mim, meu primeiro título como profissional, com fé em Deus conquistarei outros tão importante quanto.

LR: Com relação ao retorno para o Noroeste neste ano, o que te levou a tomar esta decisão?

PF: Escolhi o Noroeste, porque seria novamente uma boa oportunidade. Conheço a maioria dos jogadores que estavam aqui, e também já conhecia o trabalho do Luiz Carlos Martins e de toda a comissão técnica. Ano passado batemos na trave, esse ano vamos lutar para o resultado ser diferente.

LR: Para finalizar, duas perguntas: Como você vê o inicio da campanha e esta paralisação, e também como tem sido jogar ao lado do Alecsandro, um jogador da sua posição extremamente consagrado no futebol brasileiro?

PF: Os primeiros jogos foram muito bons, temos que manter o foco agora sem jogos para continuar em boas condições quando o campeonato voltar. Sobre o Alecsandro, é uma honra muito grande jogar ao lado dele, além disso também é muito bom para pegar experiência e melhorar no dia a dia de trabalho.

O Noroeste ainda aguarda a Federação Paulista de Futebol definir quando acontecerá a partida contra o São José, válida pela quarta rodada da Série A3 2021. Nos três primeiros jogos, o Noroeste conquistou três vitórias, e soma nove pontos na liderança da tabela de classificação.