75 mil lojas fecharam em 2020 no Brasil

  • Lucca Willians

Segundo a Confederação Nacional do Comércio, o número já contempla estabelecimentos com vínculos empregatícios (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)

Um levantamento divulgado nesta segunda-feira (1) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aponta que 75 mil estabelecimentos comerciais com vínculos empregatícios fecharam as portas no Brasil em 2020, primeiro ano da pandemia da Covid. Esse número é calculado a partir da diferença entre o total de abertura e de fechamento das lojas.

As micro e pequenas empresas responderam por 98,8% dos pontos comerciais fechados. Todas as unidades da federação registraram saldos negativos. Os Estados mais impactados foram São Paulo (20,30 mil lojas), Minas Gerais (9,55 mil) e Rio de Janeiro (6,04 mil).

Varejo

Essa retração anual do comércio é a maior registrada desde 2016, quando 105,3 mil lojas saíram de cena devido à recessão econômica do período. Apesar do alto número de estabelecimentos que fecharam suas portas no ano passado, as vendas no varejo tiveram queda de apenas 1,5%. Esse percentual, segundo a CNC, foi menor do que o esperado para um momento crítico.

"Na primeira metade do ano, quando o índice de isolamento social chegou a atingir 47% da população, as vendas recuaram 6,1% em relação a dezembro de 2019. Na segunda metade do ano, quando se iniciou o processo de reabertura da economia e foram registrados os menores índices de isolamento desde o início da crise sanitária, as vendas reagiram, avançando 17,4%", diz o estudo. 25,7 mil vagas formais foram perdidas em 2020. O último ano onde houve queda nesse quesito foi em 2016, quando foi registrada retração de 176,1 mil postos de trabalho.

Sony

Conforme havia anunciado em setembro de 2020, a Sony Brasil comunicou nesta segunda (1) que irá encerrar suas atividades no país no final de março. Com isso TVs, câmeras digitais e equipamentos de áudio da marca deixarão de ser comercializados no Brasil.

A lembrança ganhou contornos políticos nas redes sociais, com críticas ao governo Jair Bolsonaro (sem partido) na esteira do anúncio, em janeiro deste ano, do fim das atividades da Ford no Brasil.

"Sem renda para a maioria do povo, sem mercado consumidor", afirmou o deputado federal Jorge Solla (PT-BA).

Como já estava previsto, as demais operações do grupo, que envolvem games, soluções profissionais, música e cinema, continuam.

Com informações da Agência Brasil.