Retorno de Castillo é importante, mas o acerto na escolha da próxima ponteira é a chave pro Sesi Vôlei Bauru

  • Luiz Lanzoni

Desde a confirmação em março, do acerto do Sesi Vôlei Bauru para o retorno a sem limites da líbero dominicana Brenda Castillo, criou-se a expectativa de que enfim, os problemas de passe da equipe bauruense fossem resolvidos. 

De fato, a volta de Brenda agrega muito valor ao elenco comandado pelo técnico Anderson Rodrigues - Tássia deixou seu nome escrito na história do esporte bauruense, sendo peça fundamental da conquista do Paulista de 2018 - mas a dominicana está em outro patamar, e traz um aumento grande na qualidade de passe pro time bauruense. 

Mas já diria a minha bisa, "Andorinha só não faz verão", e para de fato resolver o ponto que foi o grande calcanhar de aquiles do time nas duas últimas temporadas, a diretoria precisa acertar no nome que completará o grupo de ponteiras já nesta janela.

Para o segundo turno e playoffs da Superliga, a equipe bauruense planeja copiar o movimento do Minas Tênis Clube na última temporada, e fazer um investimento pontual para a fase final - mas esta ação tem de ser a "cereja do bolo". Até lá, o time precisa ter um caminho ao menos confiável, sem tanta instabilidade - e para isso acontecer, o acerto no nome contratado agora é fundamental.

Precisamos falar sobre a base

Já faz algum tempo, o Sesi anunciou o encerramento das atividades do sub 21 - situação extremamente triste, mas completamente compreensível, por conta da deficiência e descaso que a federação paulista e a CBV tratam a categoria. Porém, a base do Sesi em Bauru continua em atividade - o Sub 19 continua, e algo precisa ser posto em fala - Se não houver integração entre a categoria e o elenco profissional, se o sub 19 não tiver condições de enxertar o elenco profissional, como por exemplo com a vaga de quarta central, não haverá razão esportiva para a continuidade do projeto formador. É necessário dar espaço para as meninas mais novas.