Comissão de Obras da Câmara discute alternativas para manejo de resíduos da construção civil

  • Lucca Willians

Subutilização da usina de beneficiamento, nova área para destinação e descarte irregular foram temas abordados na reunião

A Comissão de Obras da Câmara de Bauru promoveu discutiu em reunião medidas que precisam ser adotadas pela Administração Municipal para proceder a destinação adequada e o reaproveitamento de resíduos da construção civil.

Participaram do encontro representantes do Poder Executivo e de entidades conveniadas que atuam no setor. Os trabalhos foram conduzidos pelo presidente do colegiado, Mané Losila (MDB), e contou também com a participação dos vereadores Coronel Meira (PSL) e Luiz Carlos Bastazini (PTB), que é membro do grupo parlamentar.

Sidnei Rodrigues, Secretário de Obras, pontuou que a pasta possui uma usina de beneficiamento de resíduos da construção civil, instalada junto à usina municipal de asfalto.

A estrutura, contudo, é subutilizado, pois o poder público não dispõe de mão-obra suficiente para sua operação, que exige também alto custo de manutenção. O local recebe exclusivamente resíduos entregues por munícipes nos Ecopontos, que, depois do processamento, são utilizados em serviços da Secretaria de Obras.

Presidente da ASTEN - Associação dos Transportadores de Entulho e Agregados de Bauru - Eusébio Giraldes de Carvalho, esclareceu que a entidade tem a atribuição de recolher e dar a destinação aos resíduos que recebe. O convênio junto à administração não inclui a obrição de garantir o beneficiamento do material recolhido para que o mesmo possa ser reaproveitado.

O secretário Airton Lisomo Martinez, do Meio Ambiente, informou que o órgão trabalha no encerramento da área onde a ASTEN deposita os resíduos de construção civil recolhidos diariamente, em razão do esgotamento do local.

Uma nova área deve passar a receber esses materiais, ao lado do aterro sanitário desativado do município.

Na audiência, foi dito que este novo terreno está em acordo com a legislação vigente e dispõe de infraestrutura.

Há a disposição para que a usina de beneficiamento passe a operar nesta local, o que viabilizaria futuramente a reciclagem de até 50% dos resíduos recebidos pela ASTEN, que hoje totalizam, em média, 500 toneladas por dia.

Para isso, porém, é necessário investimento de R$ 150 mil a R$ 200 mil para melhorias na estrutura.

Ecopontos

Também participou da reunião o gerente ambiental da ASCAM, Dorival José Coral. A entidade gerencia os oito Ecopontos municipais. Neles, munícipes podem descartar, entre outros materiais, até 1 metro cúbico de resíduos de construção civil a cada três meses.

Dorival destacou o aumento mensal de materiais não recicláveis recebidos, sendo que 48% correspondem a resíduos de construção civil.

Contribuições

Mané Losila destacou a importância do manejo e reutilização adequado dos resíduos para o município, apontando as tentativas de melhoria na rede de tratamento como contribuições para a quebra do ciclo de descarte ilegal.

Neste sentido, Coronel Meira apontou o preço das caçambas (que varia de R$ 170,00 a R$ 190,00) como um dos possíveis fatores que levam a população a descartar o entulho de forma inadequada.